Sancionada Lei de Gustavo Gouveia que determina 2021 como o Ano Estadual do Educador Paulo Freire

Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter

A Lei n° 16.804 de autoria do deputado estadual Gustavo Gouveia, que considera 2021 o Ano Estadual do Educador Paulo Freire, em celebração pela passagem de seu centenário, foi sancionada pelo Governo do Estado. A Lei tem objetivo de valorizar o educador e filósofo, que se destacou por seu trabalho na área da educação popular, voltada para a escolarização e para a formação da consciência política.

Segundo o parlamentar, Paulo Freire é uma figura de extrema importância para os pernambucanos. “Ele foi um grande pensador, que até hoje inspira muitos estudos e trabalhos. Pregou a necessidade do diálogo entre mestres e alunos, e que o processo educativo devia partir da realidade da vida cotidiana das pessoas. Defendeu o diálogo com as pessoas simples, não só como método, mas como um modo de ser realmente democrático”, explicou.

A obra mais conhecida do educador e filósofo, Pedagogia do Oprimido, é a terceira obra mais citada em trabalhos acadêmicos da área de humanas em todo o mundo. Paulo Freire foi o brasileiro mais homenageado da história, com pelo menos 35 títulos de Doutor Honoris Causa de universidades da Europa e América. Recebeu o prêmio da UNESCO de Educação para a Paz em 1986, e em 2012 foi sancionada a Lei nº 12.612, que declara o educador Paulo Freire Patrono da Educação Brasileira.

Para Gustavo Gouveia, a Lei incentivará os jovens a buscarem mais informações sobre o educador. “Ele é um pensador conhecido mundialmente, suas obras ultrapassam gerações. Com a aprovação, esperamos que 2021 seja um ano de homenagens e estudos sobre Paulo Freire, onde os pernambucanos que ainda desconhecem sua trajetória possam conhecer sua brilhante história na educação”, finalizou.

Paulo Freire é considerado um dos pensadores mais influentes na história da pedagogia mundial, é conhecido pelo seu pensamento pedagógico político, onde tinha como objetivo conscientizar o aluno. Ele costumava dizer que ninguém ensina nada a ninguém, mas as pessoas também não aprendem sozinhas.

Veja também: